Especialista informa como aproveitar as luzes natural e artificial

iluminação

O término do horário de verão está próximo e para aqueles que aproveitam a luz natural deste período ao longo dia, não perderão a oportunidade com um bom projeto de iluminação residencial.

A luz natural, que é a luz do sol, nos faz começar os dias mais felizes e estimulados ao bater na janela do quart, além de ter excelentes efeitos bactericidas em nossa saúde. Mas, podemos reproduzir atmosferas tão agradáveis quanto a natural utilizando a iluminação artificial, toda e qualquer fonte de luz produzida pelo ser humano.

A professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Anhanguera de Niterói, Carla Bastos explica que a iluminação deve evocar sentimentos e atmosferas distintas no ambiente residencial. “Além do tipo de iluminação, deve-se pensar no mobiliário, na paleta de cores, nos materiais de acabamento e nos sentimentos que se deseja despertar em cada um desses lugares”.

Carla, que também é designer de interiores a frente do escritório studio²design, explica que o principal é sempre tirar proveito da luz natural de acordo com a função de cada ambiente, evitando sempre o ofuscamento.

Mas, a luz artificial pode ser utilizada para complementar e dar destaque a um ponto focal do espaço, principalmente no período da noite. “Basicamente, a iluminação pode ser classificada como geral/difusa, direta e indireta. Um mesmo espaço pode reunir esses vários tipos de iluminação de forma complementar.

Por exemplo, uma sala pode ter uma iluminação geral com um ponto de luz no teto e ainda assim, ter um ponto de destaque para um objeto decorativo e um luz indireta para um efeito mais aconchegante. Podendo ainda conjugar uma iluminação de tarefa para áreas onde se desenvolve alguma tarefa específica, como home office”, destaca.

Para a docente, um dos erros clássicos é pensar o projeto de iluminação do ambiente considerando apenas um tipo de iluminação, criando assim manchas de luz, ou grandes áreas de sombra ou de ofuscamento por excesso de luz direta em alguma superfície.

“O projeto de iluminação de interiores deve considerar primeiramente o efeito da luz em termos de sensação no ambiente, em seguida pensa-se no suporte físico. As luminárias, de uma maneira geral, abajures, pendentes e outros são elementos decorativos que complementam o projeto de iluminação”, finaliza.

Contato:
UNIAN – Centro Universitário Anhanguera de Niterói
(21) 3803-0600
https://www.anhanguera.com