Um bom projeto de iluminação valoriza os pontos fortes do ambiente, destacando detalhes da decoração e trazendo sensações.

Projeto luminotécnico correto no ambiente da arquiteta Leandra de Conto

O planejamento luminotécnico é indispensável para destacar, valorizar espaços e transmitir sentimentos em qualquer ambiente. Para que um profissional da arquitetura e decoração consiga realizar seu trabalho da melhor forma, é necessário que exista uma sintonia com entre seu projeto de interiores e o projeto luminotécnico. Não basta apenas vender, a empresa precisa colocar à disposição todo seu know-how para que, em conjunto com o arquiteto ou designer, realize um projeto inigualável.

A lighting designer Adriana Sypniewski, proprietária da Grey House Iluminação, ressalta que o profissional de arquitetura e decoração deve ser valorizado dentro da loja. “Acredito no potencial dos profissionais e os deixo à vontade para especificar e, assim, trabalharmos juntos para que o cliente final fique 100% satisfeito”, diz Sypniewski.

Adriana explica ser necessário sempre mostrar o que é certo ou errado com exemplos reais. “Temos um showroom com um mix de produtos muito grande e um laboratório de luz onde apresentamos ao cliente a parte técnica, os efeitos visuais, os diferentes tipos de lâmpadas, deixando-o a vontade para entender o que estamos especificando”, ressalta.

Importância em parcerias assim são destacadas pelas arquitetas Angela Setim e Leandra de Conto. Para Angela, as consequências de uma execução de obra sem o projeto luminotécnico adequado normalmente aparecem, justamente, no final da obra. “O cliente almeja visualizar um trabalho bem feito, bem iluminado e isso acaba não acontecendo, pois os pontos de iluminação foram mal posicionados ou as lâmpadas instaladas não valorizam os ambientes”, comenta a profissional.

Um projeto incorreto também pode gerar prejuízo, principalmente em ambientes comerciais ou corporativos. No primeiro caso, os produtos devem ser valorizados pela iluminação e isso envolve conceitos como temperatura e eficiência energética, para chamar a atenção do cliente. “Já no segundo caso, os funcionários necessitam de um ambiente bem iluminado e confortável, sem excessos, para que não seja exaustivo ao longo do dia e não prejudique a produtividade”, salienta Angela. Ela lembra ainda que ‘ter muita luz’ não significa que um ambiente está bem iluminado – a distribuição é essencial.

A arquiteta Leandra de Conto explica que durante seu processo criativo na concepção do projeto arquitetônico, já vai esboçando o que pretende usar para o luminotécnico, por isso quando procura a loja já tem o projeto luminotécnico definido. “Mesmo assim, gosto muito da troca de ideias e das soluções técnicas propostas pela loja, que vão incrementar meu projeto”, conclui ressaltando a importância entre projeto arquitetônico e luminotécnico.

Vale lembrar que as luminárias e lâmpadas escolhidas devem atender as necessidades estabelecidas em cada projeto e as medidas do pé direito, cores do piso, cores das paredes, altura e formato das luminárias, vão interferir muito no que devemos especificar, correspondendo ao tipo de ambiente e à atividade que será exercida nele. A Grey House Iluminação oferece workshops e assessoria completa para os profissionais de arquitetura e decoração, para que eles sintam-se bem à vontade em sanar dúvidas, ou pedir alguma sugestão em seus projetos.

Serviço:
Grey House Iluminação
(41) 3336-4159
greyhouse.com.br